Afinal de Contas

por Marcelo Soares

 -

Marcelo Soares escreve sobre dados e o que eles podem revelar

PERFIL COMPLETO

Publicidade
Publicidade

Olho no Censo (2): No trabalho, menos crianças e mais velhos

Por Marcelo Soares

Este post é o segundo da série “Olho no Censo”, que verifica curiosidades disponíveis na riqueza de dados dos Resultados Gerais da Amostra.

Os resultados da amostra do Censo 2010 mostram que o mercado de trabalho tem cada vez menos crianças e mais cabeças brancas. Há menos trabalho de quem não deveria trabalhar, mas mais trabalho de quem não deveria precisar trabalhar.

VEJA OS DADOS
Planilha com dados nacionais (Google Docs)
Todas as tabelas da amostra do Censo (IBGE)

Em 2000, crianças representavam 2,1% da população economicamente ativa brasileira; os idosos, 0,9%. Apenas no Rio de Janeiro havia mais idosos do que crianças trabalhando.

Em 2010, crianças representavam 1,35% da população ativa brasileira e os idosos representavam 1,36%. Os Estados onde havia mais cabeças brancas do que dentes de leite no mercado de trabalho já eram oito: RN, PB, MG, RJ, SP, RS, MS e DF.

Na maior parte dos Estados, caiu nesses dez anos a proporção de crianças que trabalham – menos no Amazonas, Roraima, Amapá e Distrito Federal – este, o único Estado rico entre eles. Já a proporção dos idosos subiu em todos os Estados, menos Rio Grande do Norte.

De um lado, há um esforço para manter crianças na escola. Hoje, no Brasil, 97% das crianças entre 7 e 14 anos de idade estudam. Na ponta dos idosos, existe uma expectativa de vida cada vez maior e a necessidade de complementar a renda da aposentadoria – isso quando ela existe.

O que você consegue descobrir nesses dados? O que você pensa sobre o maior número de idosos no mercado de trabalho?

Blogs da Folha

Mais acessadas

Nada encontrado
Publicidade
Publicidade
Publicidade