Afinal de Contas

por Marcelo Soares

 -

Marcelo Soares escreve sobre dados e o que eles podem revelar

PERFIL COMPLETO

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Incluídos, mas desconectados

Por Marcelo Soares


A Fundação Getúlio Vargas lançou nesta semana o Mapa da Inclusão Digital no Brasil. De acordo com ele, segundo reportagem do Venceslau Borlina Filho, apenas 33% dos domicílios do Brasil tem internet. No mundo, dentre os 154 países analisados, estamos  atrás do Uruguai e do Chile, e à frente do México, África do Sul e Índia.

UMA DICA
Eu não levo rankings assim a sério, porque dependem da composição da lista. Esta depende dos dados disponíveis. Assim, se em 2013 faltar o dado do Uruguai ou do México, ou entrarem mais dez países na análise, não dá para comparar os dois rankings e dizer que o Brasil “subiu” ou “caiu”. O que importa é o indicador, a proporção. Sendo comparável, dá para saber se o país melhorou ou piorou. Num ranking, um país pode “subir” sem melhorar – é só outros piorarem.

Como o Brasil é grande e diverso, o que acontece em São Paulo é radicalmente diferente do que acontece no Piauí. Portanto, na comparação dos municípios, como é que funciona?

A FGV liberou uma planilha mostrando quantos domicílios, em termos percentuais, têm computador e quantos têm computador e internet. Com isso, é possível calcular quem tem computador desconectado. A conta é simples: se em São Caetano do Sul 77,6% das casas têm computador e 74,07% têm computador e internet, logo há 3,55% que têm computador mas não têm internet. Essa conta pode ser feita para todas as cidades do Brasil.

Ou seja: nessas casas o computador serve para fazer trabalho escolar, serve para jogar paciência, serve para equilibrar o orçamento doméstico. É uma máquina útil de qualquer maneira. Só não serve para ler a Folha.com, pesquisar na Wikipedia ou entrar no Facebook para cutucar os amigos. Não é exatamente exclusão digital – é exclusão de conexão.

São lares onde chegou o crediário para comprar o computador, mas a conexão ainda não chegou. Quanto maior a proporção desses lares, mais fácil serem cidades de renda razoável mas distantes da infraestrutura.

Das 100 cidades com maior proporção de lares com computador desconectado, 51 estão no Rio Grande do Sul e 43 estão em Santa Catarina. São cidades pequenas, tendo em média 2,6 mil domicílios. Mais ainda: em 1.204 das 5.565 cidades brasileiras, mais de 10% das casas já têm computador mas ainda não têm internet.

Se você clicar no mapa abaixo, vai poder ver como se distribuem esses municípios. Também vai poder ver os dados de cada um deles. Boa diversão!

Blogs da Folha